sábado , julho 22 2017
Home / Câncer / Movimento alerta para o câncer de colo do útero

Movimento alerta para o câncer de colo do útero

Terceiro mais comum entre as brasileiras, o câncer de colo do útero mata mais de 5 mil mulheres por ano. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), serão 16.340 novos casos em 20161, um aumento de 4,8% na incidência (15.590 registrados em 2015). Para chamar a atenção dos brasileiros e dar voz às mulheres que enfrentam o câncer de colo do útero, sociedades médicas, especialistas e ONGs, juntos com a farmacêutica Roche, realizam o movimento Força Amiga. O objetivo é estimular o apoio a pacientes com a doença e incentivar o debate em torno do tema e todos os seus estágios.
E quem quer ajudar a disseminar a ideia, pode compartilhar nas redes sociais a hashtag #ForçaAmiga.

Segundo o médico Gustavo Fernandes, oncologista e presidente da SBOC, o cenário da doença no País é alarmante. As taxas de sobrevivência para o câncer de colo do útero no Brasil estão abaixo daquelas observadas em países desenvolvidos, refletindo um diagnóstico tardio e falhas no tratamento. Apesar da alta incidência e mortalidade, pouco se fala sobre a doença, principalmente na fase avançada.

Muitas vezes, barreiras culturais, como a vergonha de realizar exame ginecológico ou proibição por parte de companheiros, se somam à falta de informação. Por isso, a disseminação das ferramentas de controle, como vacina, exame preventivo de papanicolaou e avanços no tratamento precisam ser globalmente difundidos na população, explica César Eduardo Fernandes, presidente da Febnrasgo.

No Brasil, 77% das pacientes com câncer de colo do útero são diagnosticadas com a enfermidade já em fases mais avançadas, quando começam a surgir os primeiros sintomas, como sangramentos e dores pélvicas. Estudo brasileiro feito com mais de 51 mil mulheres, evidenciou que 20% das brasileiras com câncer de colo do útero apresentam resposta terapêutica inadequada as tecnologias utilizadas atualmente6. Devido aos avanços científicos, existem novos recursos da medicina que podem aumentar a expectativa de vida mesmo com o diagnóstico de câncer de colo de útero avançado. A escolha da terapia ideal dependerá do estágio da doença e condições clínicas de cada paciente. Em muitos casos, os tratamentos oferecidos contemplam apenas as combinações de cirurgia, quimioterapia isolada ou radioterapia, deixando de lado o uso de terapias mais inovadores, que podem proporcionar maiores benefícios às pacientes que hoje já têm a doença e que muitas vezes não tiveram acesso às estratégias de prevenção.

A Anvisa aprovou recentemente a indicação de um medicamento biológico já utilizado em outros países, o bevacizumabe, como a primeira terapia-alvo oferecida para o tratamento do câncer de colo do útero e o único avanço nos últimos 10 anos para tratar a doença em seu estágio mais grave. Trata-se do primeiro medicamento biológico que trouxe o benefício de taxa de sobrevida global sem redução da qualidade de vida das pacientes com esta doença.

Comentários

Sobre Jaqueline Falcão

mm
Jornalista por paixão e formação, Jaqueline Falcão escreve sobre saúde desde 2001. Começou no Diário Popular como repórter, foi editora de Saúde do Diário de São Paulo. Depois, foi transferida para o jornal O Globo, sucursal São Paulo, onde permaneceu por 7 anos. A ideia de criar o "Página da Saúde", voltado para falar de tratamentos, descobertas da medicina, qualidade de vida, foi a vontade de ter mais liberdade para falar saúde em seus diversos aspectos para pessoas que cada vez mais buscam informação de credibilidade. E para isso está sempre em coletivas, seminários e congressos médicos para trazer as novidades. Na Europa e Estados Unidos, participou de coberturas em congressos e seminários sobre os temas tabagismo, câncer, esclerose múltipla, pesquisa clínica, saúde masculina, saúde feminina, depressão, vacinas e patentes. Entre os cursos e workshops na área de jornalismo de saúde, destaque para ressuscitação cardiopulmonar, infarto, câncer de pele, tabagismo, pesquisas clínicas no Brasil e no Mundo, lançamentos de novas classes de medicamentos, realizados em instituições como Hospital Israelita Albert Einstein, Hospital Sírio-Libanês, Hospital das Clínicas, Universidade de São Paulo, Unicamp, Tufts University (Boston - EUA), UC San Diego, Inter American Press Association (IAPA) e Massachusetts Institute of Technology (MIT).

Veja Também

Ação educativa sobre câncer de pulmão movimenta terminais de ônibus e Metrô em São Paulo

Pessoas que nunca fumaram podem desenvolver câncer de pulmão? Quem tem casos da doença na …

One comment