segunda-feira , outubro 23 2017
Home / Câncer / Novo tratamento para tumor gastrointestinal chega ao Brasil

Novo tratamento para tumor gastrointestinal chega ao Brasil

Pacientes adultos com tumor gastrointestinal (GIST) ou câncer gastrointestinal inoperável ou metastático que evoluiu ou é intolerante a outros tratamentos já contam com um novo tratamento. O medicamento ajuda o paciente a viver com a doença mais controlada.

O regorafenibe (Stivarga) age no mecanismo de crescimento e progressão do tumor.

A vantagem é que se trata de um comprimido, que deve ser tomado todos os dias, segundo o médico Túlio Pfiffer, oncologista do Hospital Sírio Libanês.

-Trata-se de uma terapia-alvo oral. O paciente deve fazer uso contínuo e passar por avaliação com o médico mensalmente. Os exames de imagem devem ser repetidos a cada dois meses – explica o médico.

Entre os efeitos colaterais previstos estão diarreia, fraqueza e um pouco de rachadura na pele. Mas vale lembrar que muitos pacientes não têm.

A terapia é responsável por uma taxa significativa decontrole da doença e redução de 73% do risco de progressão ou morte, de acordo com os testes clínicos do Estudo GRID realizado com 199 pacientes. O Stivarga é do laboratório farmacêutico Bayer.

“O tratamento para o GIST depende da fase da doença em que se realiza o diagnóstico. Em fases iniciais o tratamento ideal é ressecção cirúrgica com intuito curativo. Porém em fases tardias, ou quando a doença recorre, geralmente estamos diante de uma doença crônica. Nessa fase existe poucas opções de tratamento sistêmico para combater a doença. Dessa forma a aprovação do regorafenibe disponibiliza um avanço importante no controle desse tipo de câncer para pacientes previamente tratados, no momento sem opção de tratamento sistêmico”, afirma o oncologista Tulio Pfiffer.

Esse tipo de tumor é a forma mais comum do sarcoma, que é localizado no trato gastrointestinal (GI), composto por boca, faringe, esôfago e estômago (trato GI superior) e intestino delgado e intestino grosso (trato GI inferior).

Dados internacionais indicam que 40% a 70% dos casos se originam no estômago, 20% a 40% ocorrem no intestino delgado, 5% a 15% surgem no colón e reto e menos de 5% ocorre no esôfago. No Brasil, o Ministério da Saúde (MS) aponta que esses tumores correspondem a aproximadamente 1% das neoplasias primárias do trato digestivo, e a estimativa é de que a incidência seja de sete a 20 casos por milhão de habitantes.

 

Comentários

Sobre Jaqueline Falcão

mm
Jornalista por paixão e formação, Jaqueline Falcão escreve sobre saúde desde 2001. Começou no Diário Popular como repórter, foi editora de Saúde do Diário de São Paulo. Depois, foi transferida para o jornal O Globo, sucursal São Paulo, onde permaneceu por 7 anos. A ideia de criar o "Página da Saúde", voltado para falar de tratamentos, descobertas da medicina, qualidade de vida, foi a vontade de ter mais liberdade para falar saúde em seus diversos aspectos para pessoas que cada vez mais buscam informação de credibilidade. E para isso está sempre em coletivas, seminários e congressos médicos para trazer as novidades. Na Europa e Estados Unidos, participou de coberturas em congressos e seminários sobre os temas tabagismo, câncer, esclerose múltipla, pesquisa clínica, saúde masculina, saúde feminina, depressão, vacinas e patentes. Entre os cursos e workshops na área de jornalismo de saúde, destaque para ressuscitação cardiopulmonar, infarto, câncer de pele, tabagismo, pesquisas clínicas no Brasil e no Mundo, lançamentos de novas classes de medicamentos, realizados em instituições como Hospital Israelita Albert Einstein, Hospital Sírio-Libanês, Hospital das Clínicas, Universidade de São Paulo, Unicamp, Tufts University (Boston - EUA), UC San Diego, Inter American Press Association (IAPA) e Massachusetts Institute of Technology (MIT).

Veja Também

Calculadora virtual e debate do Oncoguia em SP alertam para combate ao tabagismo

  O tabagismo está na origem de 90% de todos os casos de câncer de …