sábado , julho 22 2017
Home / Lifestyle / 5 mitos e verdades sobre a doença de Crohn

5 mitos e verdades sobre a doença de Crohn

 

crohn

 

Doença de Crohn. Você ouviu falar, com certeza. Mas se não é um paciente, sabe o que é e quais são as suas causas? E mais: sabia que ela afeta 150 mil brasileiros? Doença de Crohn dói. É uma enfermidade inflamatória séria do trato gastrointestinal. Costuma afetar a parte inferior do intestino delgado e o intestino grosso.  Mas pode comprometer qualquer parte do trato gastrointestinal.

A gastroenterologista Cristina Flores, do Hospital das Clínicas de Porto Alegre, traz alguns mitos e verdades que permeiam a doença. Confira:

 

O estilo de vida é um dos fatores para o aparecimento da Doença de Crohn

Verdade. Ainda não se sabe o que desencadeia a enfermidade, mas pesquisas recentes apontam que se trata de uma doença associada à vida moderna. “Acreditamos que o gatilho esteja ligado à industrialização, principalmente ao consumo de alimentos industrializados – com seus aditivos. Também é mais comum em países com melhores condições de higiene e saneamento. Outros fatores relacionados são a pré-disposição genética, o uso excessivo de antibióticos na infância, alterando a flora intestinal. Todos esses fatores podem contribuir para um desequilíbrio do sistema imunológico, que passa a reconhecer todas  bactérias, sejam elas boas ou ruins para a saúde, como potenciais inimigos, causando, assim, a inflamação do intestino e levando aos sintomas da doença”, esclarece a gastroenterologista. Além disso, o estresse, o tabagismo e uma dieta desbalanceada podem influenciar os sintomas e a gravidade do quadro. Por isso, os médicos recomendam manter uma alimentação balanceada, não fumar, evitar bebidas alcoólicas e praticar atividades físicas regularmente.

 

A maioria dos diagnósticos é feita na fase inicial da doença

Mito. Apesar de os sintomas trazerem grandes impactos ao dia a dia dos pacientes, o diagnóstico da doença é considerado difícil, uma vez que os sintomas podem ser confundidos com problemas mais comuns, como uma simples diarreia. Em média, os pacientes demoram de três a quatro anos para serem diagnosticados, geralmente, quando a doença já está avançada e pode evoluir para  estreitamento, perfuração intestinal, câncer, desnutrição, anemia, infecção e até mesmo à morte. Por isso, é importante ficar atento aos sintomas e sempre procurar um médico em casos de alterações gastrointestinais.

 

Tratamento pode proporcionar uma vida normal ao paciente

Verdade. A doença não tem cura, mas o tratamento tem o objetivo de eliminar os sintomas e devolver o bem-estar do paciente. Em longo prazo, alguns medicamentos proporcionam a cicatrização do intestino, da mucosa, o que leva à remissão da doença. Nessa fase, o paciente pode ter uma vida normal, sem sequelas inflamatórias. No entanto, é preciso seguir corretamente o tratamento indicado, não falhar com a medicação e manter um estilo de vida saudável.

Atualmente, no estágio inicial da doença, é comum o uso de anti-inflamatórios específicos. Nas fases mais agudas, indica-se o corticoide, porém, se o paciente não responder a esse tratamento, existem medicamentos imunossupressores que ajudam no controle da doença e os medicamentos biológicos, classes mais modernas e indicadas a perfis específicos de pacientes, que melhoram consideravelmente a qualidade de vida dessas pessoas.  Ainda existem muitas situações em que a cirurgia pode ser recomendada.

 

Pacientes com Doença de Crohn têm poucas opções terapêuticas

Mito. Mesmo que a causa da doença ainda seja incerta, as opções de tratamento estão cada vez mais inovadoras e diversificadas. Os medicamentos biológicos, por exemplo, trazem segurança e eficácia em diversas fases da doença. Estudos recentes mostram que novas opções de tratamento, com altas taxas de resposta e novos mecanismos de ação devem chegar ao mercado em breve.

 

Tratamentos biológicos estão fora da lista de cobertura dos planos de saúde.

Mito. As terapias imunobiológicas endovenosa e subcutânea estão disponíveis para pacientes beneficiários dos planos de saúde nos ambientes ambulatorial e hospitalar. A cobertura, no entanto, depende de alguns fatores como o índice de atividade da doença mais a falta de resposta a drogas imunossupressoras ou imunomoduladoras em um determinado período ou, ainda, do grau da enfermidade.

 

 

Comentários

Sobre Jaqueline Falcão

mm
Jornalista por paixão e formação, Jaqueline Falcão escreve sobre saúde desde 2001. Começou no Diário Popular como repórter, foi editora de Saúde do Diário de São Paulo. Depois, foi transferida para o jornal O Globo, sucursal São Paulo, onde permaneceu por 7 anos. A ideia de criar o "Página da Saúde", voltado para falar de tratamentos, descobertas da medicina, qualidade de vida, foi a vontade de ter mais liberdade para falar saúde em seus diversos aspectos para pessoas que cada vez mais buscam informação de credibilidade. E para isso está sempre em coletivas, seminários e congressos médicos para trazer as novidades. Na Europa e Estados Unidos, participou de coberturas em congressos e seminários sobre os temas tabagismo, câncer, esclerose múltipla, pesquisa clínica, saúde masculina, saúde feminina, depressão, vacinas e patentes. Entre os cursos e workshops na área de jornalismo de saúde, destaque para ressuscitação cardiopulmonar, infarto, câncer de pele, tabagismo, pesquisas clínicas no Brasil e no Mundo, lançamentos de novas classes de medicamentos, realizados em instituições como Hospital Israelita Albert Einstein, Hospital Sírio-Libanês, Hospital das Clínicas, Universidade de São Paulo, Unicamp, Tufts University (Boston - EUA), UC San Diego, Inter American Press Association (IAPA) e Massachusetts Institute of Technology (MIT).

Veja Também

mamografiapristina

Novo aparelho para mamografia permite que mulheres controlem o exame

Muitas mulheres deixam para depois a realização da mamografia pelo medo da dor e do …