quinta-feira , outubro 19 2017
Home / Sem categoria / Anemia não vira leucemia, você sabia?

Anemia não vira leucemia, você sabia?

Dor de cabeça, irritabilidade, tontura, infecções em repetição, perda de produtividade, unhas quebradiças e queda de cabelo. Muitas vezes confundidos com estresse, os sintomas da anemia estão profundamente ligados à falta de oxigênio no organismo e devem ser tratados com urgência.

Segundo a médica hematologista e membro da Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH) Sara Saad, a doença é muito popular, mas pouco conhecida por grande parte da população. “Isso acontece porque a anemia pode ter causas diversas, que vão desde a genética até má alimentação e doenças graves como câncer”, comenta.

Ela explica que as classificações das anemias são definidas em função de sua origem. Existem anemias por falta de produção (mais comumente por falta de ferro ou vitamina B12), por perdas (sangramentos) e por destruição (quase sempre hereditárias).

Para esclarecer a população, a médica da ABHH comenta cinco dos principais mitos e verdades sobre a doença:

1) Anemia é sempre um sinal de má alimentação: mito. Existem outros fatores que podem levar à doença. Um exemplo é a anemia falciforme, condição hereditária em que o corpo produz um tipo diferente de hemoglobina que prejudica o transporte de oxigênio pelo sangue. Ainda assim, a má alimentação é a principal causa de anemia em crianças. Em adultos, ela raramente é causada por fatores alimentares, sendo, muitas vezes, sinal de inflamação, doença dos rins, infecção, câncer, gastrite ou sangramento.

2) Crianças e adultos anêmicos são proibidos de praticar esportes: mito. Muitas vezes falta disposição para o paciente se exercitar, justamente por causa dos sintomas da anemia. Ainda assim não há uma proibição médica geral. Tudo depende do grau de anemia, de como o coração do paciente está e da intensidade do exercício.

3) A diabetes pode causar anemia: verdade. Um dos possíveis problemas ocasionados pela diabetes é o comprometimento da função renal e aparecimento de um quadro de anemia.

4) Toda anemia tem origem genética: mito. Por mais que existam anemias hereditárias como a falciforme e a talassemia, nem sempre a causa é herdada. A maioria das anemias não é genética, mas adquirida. Alguns exemplos são as anemias por falta de ferro, por falta de vitamina B12 e por inflamação, entre outras.

5) Se não for tratada, a anemia evolui para leucemia: mito. Mesmo que não seja tratada adequadamente, não existe nenhum risco de a anemia evoluir para leucemia. Essa confusão acontece porque a anemia pode ser um dos sintomas de leucemia, não o contrário. Se não tratada, a anemia pode levar a problemas do coração, cansaço, indisposição e fraqueza.

Sobre a ABHH

A Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH) reúne hematologistas e hemoterapeutas e tem como frentes de atuação o desenvolvimento educacional e científico dos especialistas. Filiada à Associação Médica Brasileira (AMB), a ABHH possui mais de dois mil associados.

 

Comentários

Sobre Jaqueline Falcão

mm
Jornalista por paixão e formação, Jaqueline Falcão escreve sobre saúde desde 2001. Começou no Diário Popular como repórter, foi editora de Saúde do Diário de São Paulo. Depois, foi transferida para o jornal O Globo, sucursal São Paulo, onde permaneceu por 7 anos. A ideia de criar o "Página da Saúde", voltado para falar de tratamentos, descobertas da medicina, qualidade de vida, foi a vontade de ter mais liberdade para falar saúde em seus diversos aspectos para pessoas que cada vez mais buscam informação de credibilidade. E para isso está sempre em coletivas, seminários e congressos médicos para trazer as novidades. Na Europa e Estados Unidos, participou de coberturas em congressos e seminários sobre os temas tabagismo, câncer, esclerose múltipla, pesquisa clínica, saúde masculina, saúde feminina, depressão, vacinas e patentes. Entre os cursos e workshops na área de jornalismo de saúde, destaque para ressuscitação cardiopulmonar, infarto, câncer de pele, tabagismo, pesquisas clínicas no Brasil e no Mundo, lançamentos de novas classes de medicamentos, realizados em instituições como Hospital Israelita Albert Einstein, Hospital Sírio-Libanês, Hospital das Clínicas, Universidade de São Paulo, Unicamp, Tufts University (Boston - EUA), UC San Diego, Inter American Press Association (IAPA) e Massachusetts Institute of Technology (MIT).

Veja Também

respirador

Empresa inova em equipamento para respiração de pacientes em UTI

Os cuidados a pacientes de UTI envolvem de equipes médicas a equipamentos, como monitores de …