segunda-feira , outubro 23 2017
Home / Sem categoria / Dez sinais que sua audição não vai bem

Dez sinais que sua audição não vai bem

 

A maioria dos casos de perda auditiva se desenvolve gradualmente e os sintomas são difíceis de ser identificados.

“O primeiro passo é aceitar que já existe dificuldades para ouvir em certas situações, o que normalmente leva um tempo; mas reconhecer a deficiência é a melhor coisa a fazer. Estudos comprovam que o tratamento da perda de audição, geralmente com o uso de aparelhos auditivos, resulta em melhoras significativas na qualidade de vida”, afirma a fonoaudióloga Isabela Carvalho, da Telex Soluções Auditivas.

O indivíduo já pode notar os primeiros indícios de surdez pela dificuldade em ouvir o que as pessoas estão falando. Confira dez outros sintomas que podem indicar perda auditiva:

–   Ouvir as pessoas falando como se elas estivessem sussurrando

–  Assistir televisão em volume mais alto do que as outras pessoas da casa, pedindo para aumentar o som

– Não ouvir quando é chamado por uma pessoa que não está à sua frente ou que se encontra em outro cômodo

– Comunicar-se com dificuldade em um pequeno grupo ou em uma reunião

– Pedir com frequência que as pessoas repitam o que disseram

– Ouvir com dificuldade o toque de campainha ou telefone; ou mesmo ficar embaraçado ao não entender o que outro diz pelo telefone

– Dificuldade em comunicar-se em ambientes ruidosos, como no carro, no ônibus ou em uma festa

– Fazer uso de leitura labial durante uma conversa.

– Família e amigos comentam que você não está ouvindo bem.

– Se concentrar muito para entender o que as pessoas falam ou cochicham.

O diagnóstico deverá se feito por um médico otorrinolaringologista e, depois, cabe a um fonoaudiólogo indicar qual tipo e modelo de aparelho são indicados para atender às necessidades de cada um.

 

Comentários

Sobre Jaqueline Falcão

mm
Jornalista por paixão e formação, Jaqueline Falcão escreve sobre saúde desde 2001. Começou no Diário Popular como repórter, foi editora de Saúde do Diário de São Paulo. Depois, foi transferida para o jornal O Globo, sucursal São Paulo, onde permaneceu por 7 anos. A ideia de criar o "Página da Saúde", voltado para falar de tratamentos, descobertas da medicina, qualidade de vida, foi a vontade de ter mais liberdade para falar saúde em seus diversos aspectos para pessoas que cada vez mais buscam informação de credibilidade. E para isso está sempre em coletivas, seminários e congressos médicos para trazer as novidades. Na Europa e Estados Unidos, participou de coberturas em congressos e seminários sobre os temas tabagismo, câncer, esclerose múltipla, pesquisa clínica, saúde masculina, saúde feminina, depressão, vacinas e patentes. Entre os cursos e workshops na área de jornalismo de saúde, destaque para ressuscitação cardiopulmonar, infarto, câncer de pele, tabagismo, pesquisas clínicas no Brasil e no Mundo, lançamentos de novas classes de medicamentos, realizados em instituições como Hospital Israelita Albert Einstein, Hospital Sírio-Libanês, Hospital das Clínicas, Universidade de São Paulo, Unicamp, Tufts University (Boston - EUA), UC San Diego, Inter American Press Association (IAPA) e Massachusetts Institute of Technology (MIT).

Veja Também

respirador

Empresa inova em equipamento para respiração de pacientes em UTI

Os cuidados a pacientes de UTI envolvem de equipes médicas a equipamentos, como monitores de …